Uncategorized

Aftershock

After Semester at Sea is done, you have no idea what life is going to be like. You are expected to become an “alien” to this world called reality. Yet, no one understands that “reality” is really what you went through on that ship! Reality is waking up in a different country every now and then, being able to live it; not from any books, magazines or websites, but through your own eyes. That my friend, is reality. 

But truth is, no one really cares and won’t ever understand when your eyes brighten up a little when you talk about all the countries you visited and all the wonderful people you met. There is not one person that gets it when you want to cry a little every time you talk about those kids Ghana, or how you want to laugh thinking about the amazing times you had on the ship with your new friends. 

Image

Image

Image

And that is when reality hits – welcome to your new stranger country called home.

I was so happy to see all my loved ones in Brazil, and later on, I was even happier to see my friends in Hawaii and start a brand new semester. I had no idea I would see the effects of my trip on daily basis. I started to feel left out on conversations, because I felt like they were “boring.” I wanted to talk about the politics of one “cool” country. What about history? Let’s talk about languages,geography, issues to be solved, please. Then, I started to get mad at everyone that used water too much; or who threw garbage on the street; or who complained about e-v-e-r-y-t-h-i-n-g, especially how much they are depressed because they have no clothes to wear to a party, or they couldn’t buy the iPhone 5. 

There were times where I wanted to close my eyes and disappear. I am not going to lie that adjusting was hard, and I seriously feel like i have not adjusted yet. Hard is to see myself falling in this world, having to buy a phone, caring if I have internet or not, things that it did not matter a few months ago. I still have days (almost everyday), where I want to open my eyes and see myself on the ship again, with the same people, doing the same activities I used to do. I want to feel that same excitement, the same desire, the same knowledge. 

The trip came to an end, but it feels like a brand new beginning.

Image

Abalos secundários

Depois que Semestre no Mar chega ao fim, você não tem nem ideia  como a vida será a partir dali. E esperado que você se torne um “alienígena” a esse mundo chamado de realidade. Mas, ninguém entende que “realidade” é realmente o que você viveu no navio! Realidade é você acordar sempre em um país diferente, podendo vive-lo; não por livros, revistas ou websites, mas pelos seus próprios olhos. Isso meu amigo, que eu chamo de realidade. 

Mas a verdade é que ninguém está nem ai e nunca entenderá quando os seus olhos brilharem um pouco mais quando você comentar sobre todos os países que visitou e as pessoas maravilhosas que conheceu. Não existe uma pessoa que vá entender quando você sentir vontade de chorar toda vez que você falar daquelas crianças em Ghana, ou rir quando você lembrar dos momentos especiais que viveu no navio com seus novos amigos.

E é aí que a realidade bate – seja bem vindo ao seu novo estranho país chamado casa.

Eu estava muito feliz em ver todas as pessoas que amo no Brasil, e depois, feliz ainda de ver meus amigos no Hawaii e poder começar um novo semestre. Eu não tinha nem ideia que eu veria  os efeitos da minha viagem regularmente. Eu comecei a perceber que me sentia de fora das conversas, porque sentia que elas eram chatas. Eu queria falar sobre a política sobre qualquer país “massa” por ai. E história? Vamos falar de línguas, geografia, problemas que possam ser resolvidos no mundo, porfavor. E aí, eu comecei a brigar com todos que desperdiçavam água demais; ou quem jogava lixo no chão; ou quem reclamava de t-u-d-o, principalmente quando eles falavam o quanto eles estavam em depressão porque não tinham roupa nenhuma para usar naquela festa bombada, ou porque eles não podiam comprar o Iphone 5.

Teve momentos em que eu queria fechar os olhos, e desaparecer. Não vou mentir que se ajustar a tudo foi difícil, e as vezes eu ainda sinto que não me ajustei. Difícil é me ver caindo nesse mundo, tendo que comprar um celular, me importando se eu tenho internet ou não, coisas que uns meses atrás não faziam diferença.

Eu ainda tenho dias(quase todos os dias), que eu abro os olhos e me vejo no navio novamente, com as mesmas pessoas, fazendo as mesmas atividades que eu fazia. Eu quero sentir a mesma sensação de liberdade, o mesmo desejo, e quero mais daquele conhecimento.

A viagem chegou ao fim, mas é um novo começo.

Categories: Uncategorized | 2 Comments

When it comes to an end

It feels weird. Leaving is weird. You are prepared that this moment will come even before you get on the ship, but for some reason the preparation is never enough. Now, it’s over. Something that I called my routine, it’s now a memory, something inevitable not to think of.

Th feeling of packing the room is indescribable. To see others pack their lives away is even worse. Four months of a life that no one will ever understand, not even yourself, in one suitcase is not easy. 

Image

Through the whole trip I kept saying I have being going through motions, without even stopping to think about it – well, now I did. I stopped, and it hurts, cause time isn’t. A place where it felt warm, comfortable and filling, now looks cold and empty. The room that described my whole trip with all my pictures and postcards on the wall, looks like a strangers’ house.

Image

The halls were filled of us signing each other’s world maps, as if it was the last time we would see each other, which is most likely true for a lot of us.

Image

The feeling of saying good-bye to those trying to figure out the world with you, that cried with you when they didn’t get it and smiled with you when they simply felt part of it was heartbreaking. I had breakfast, lunch and dinner everyday with them, without the interruption of a phone or Facebook. We just understood each other so much that felt like we were each a small piece to a big puzzle, and together we were able to figure it out.

Image

When the ship was arriving I saw my mother, jumping up and down with a Brazilian flag. I saw all those parents that were relieved we made it back safely into their arms. My mind played a trick on me, where for a second I felt happy to be off the ship and hug my mom again. But don’t get me wrong, I figured it all out. I was happy because of who was out there, not because I wanted to be out there again. The ship became my safe zone, and now being back to my reality felt like an adventure I didn’t want to be part of. Being a stranger in someone’s country is acceptable, but a stranger at your own house can be the bigger challenge.

Image

Image

– part of the journal I wrote after getting off the ship. 

Finals week was stressful, just like in any other college. More stressful was looking at each other knowing we only had a few days together. We tried everything- not sleeping, watching movies, dancing, eating, talking, playing music – and it wouldn’t work. We tried as much as we could to fill that emptiness that was already there. We already thought about our lives without one another inside that ship, where everyday we learned something new about the world and ourselves. It is true when they say you will make some lifetime friends. Saying bye to the crew members was also hard, because they completed my routines, shared stories with me, and inspired me in so many ways. 

While I was walking down those stairs for the last time, tears were finally starting to show its presence. There you go, I stopped denying it, and it is finally kicking in.

I hugged my mom so tight, it felt unreal to finally see her again, although it felt like she was with me through the whole way. I watched everyone go away with their families, or off to their new adventures, and I thought to myself: Thank you, God. Thank you so much.

Seeing the ship from the outside angle, was very different.

Image

I remember the feeling of looking at pictures of the ship wishing I was there. I remember getting inside the ship the first time, not believing my dream was coming true. I still remember getting lost on the ship when it looked unfamiliar. I remember the feeling of making it my home and everyone in it. I remember every port, every adventure, everyone that was part of it. And now, I remember the feeling of leaving, and being able to say I lived this dream. I made it come true, and that no one will ever take from me. 

I don’t just remember the moments, but the way I felt, it’s what makes me come alive. It’s what reminds me that everything is possible. If I made this happen, I can make anything happen. 

Now, I can say I am a traveler, not a tourist. Thank you Semester at Sea, for teaching me become a citizen of the world.

Image

Quando chega ao fim

E estranho. Ir embora é estranho. Você está preparado para que esse momento chegue até mesmo antes de entrar no navio, mas por alguma razão, a preparação nunca é suficiente. Agora tinha chegado ao fim. O que era minha rotina, virou uma memória, algo inevitável de não pensar a todo momento.

A sensação de arrumar as malas foi indescritível. Ver os outros arrumando suas vidas nas malas foi pior ainda. Quatro meses de uma vida que ninguém nunca vai entender, nem você mesma, agora está em uma mala.

Durante toda a viagem eu sempre disse que estava somente passando por moções, sem ao mesmo parar para pensar – bom, agora eu parei, e doeu, porque o tempo não parou. O lugar que era quente, confortável e cheio, agora estava frio e vazio. O quarto que descrevia minha viagem inteira com todas as fotos e os cartões postais na parede, agora parecia a casa de um estranho 

Os corredores estavam repletos de nós, assinando o mapa do outro, como se fosse a última vez que íamos nos ver, que para muitos, era verdade.

A sentimento de dizer adeus para aqueles que estavam tentando entender o mundo com você, que chorou quando não conseguiu, e sorriu quando se sentiu parte dele, foi simplesmente de partir o coração. Eu tinha café da manhã, almoço e jantar todos os dias com eles, sem a interrupção de um celular ou uma notificação do Facebook. Nós simplesmente nos entendíamos tanto que parecia que cada um de nós éramos um pedaço de um grande quebra-cabeça, e juntos conseguíamos desvenda-lo. 

Quando o navio estava se aproximando eu vi a minha mãe, pulando para cima e para baixo com uma bandeira do Brasil. Eu vi todos aqueles pais, que estavam aliviados de ver que estávamos voltando vivos para os seus braços. Minha mente brincou comigo, onde por um momento eu achei que estava feliz de estar saindo do navio e poder abraçar a minha mãe novamente. Não me entenda mal, eu já entendi a sensação. Eu estava feliz de ver a pessoa que estava ali fora, não feliz porque eu queria estar ali fora novamente. O navio virou a minha zona segura, e agora voltando a minha realidade parecia mais uma aventura que eu não queria fazer parte. Ser um estranho no país dos outros é aceitável, mas ser um estranho na sua própria casa pode ser um obstáculo muito maior. 

– parte do que eu escrevi no meu jornal logo depois que saí do navio.

A semana de provas foi estressante, igual como é na faculdade. Mais estressante ainda era olhar para a cara do outro e saber que era os nossos últimos dias juntos. Tentamos de tudo juntos – ficamos sem dormir, assistimos muitos filmes, dançamos, comemos, conversávamos, tocávamos música – e não funcionava. Tentamos tudo que podíamos fazer para preencher aquele vazio que já estava ali. Já imaginávamos as nossa vidas sem o outro dentro do navio, onde todos os dias aprendíamos algo sobre o mundo e sobre nós mesmos. E verdade quando eles disseram que faríamos eternos amigos. Dizer adeus para os trabalhadores do navio também foi muito difícil, pôs eles completavam o meu dia-a-dia compartilhando suas historias comigo, e me inspirando de muitas maneiras.

Enquanto descia as escadas do navio pela última vez, finalmente lágrimas finalmente mostraram presença. Pronto, parei de fugir da ideia, e estava “caindo a ficha. 

Eu abracei minha mãe tão forte, foi maravilhoso finalmente vê-la novamente, mesmo que tenha parecido que ela estava comigo durante toda a jornada. Eu observei a todos indo embora com a sua família, ou partindo para suas novas aventuras, e pensei: Obrigada, Deus. Muito Obrigada.

Eu lembro da sensação de olhar fotos do navio e desejar estar ali. Eu lembro entrando no navio pela primeira vez, sem acreditar que o meu sonho estava finalmente se realizando. Eu ainda lembro como me perdia pelo navio nos primeiros dias, quando ainda não me parecia familiar. Eu lembro de sentir que ali virou a minha casa, e todos que ali estavam. Eu lembro de todos os países, todas as aventuras e todos que fizeram parte dela. E agora, eu me lembro da sensação de ter partido, e poder dizer que eu vivi esse sonho. Eu fiz com que ele se tornasse real, e isso nunca ninguém jamais tirará de mim.

Eu não só me lembro dos momentos, mas de como eu me senti, e é exatamente isso que me faz sentir viva e o que me lembra que tudo é possível. Se eu fiz com que isso acontecesse, eu posso fazer com que qualquer coisa aconteça. 

Agora, eu posso dizer que eu sou uma viajante, não uma turista. Obrigada Semestre no Mar, por ter me ensinado a ser uma cidadã do mundo.

Categories: Uncategorized | Leave a comment

BUNGEE JUMPING in the highest bungee bridge in the WORLD!

Although we were free in every country to chase our own experience, we were not allowed to do any “dangerous” sports or activities. If they found out, either through pictures or if they heard that we did such thing, they would give us points, which if they were added up to 10 we would get kicked out of the ship.

Seriously, people did get kicked out. They were very strict about drugs, alcohol and all that jazz. I really supported them though, we were not in a party cruise, we were there to study and to grow as individuals, Of course we were all young and wanted to have fun whenever we could, but there are always people who crosses the line, so they had to step it up. However, I could not agree with the “dangerous” sports deal.

Arriving in South Africa, the first thing I did was to travel 6 hours to the highest bungee jumping bridge in the world. I made the mind of some of my crazy friends, and there we were. South Africa is one of the most beautiful countries I have ever visited. Its beauty is indescribable, 

We arrived on the bridge called Bloukrans River Bridge of 216m high. It is recognized in the Guiness World Records. Exciting, isn’t? 

Image

I already felt the adrenaline arriving there, seeing other people jump from a far, getting the equipments ready…but the fear never really kicks in until you’re on that bridge.

I did skydiving before, but bungee jumping was much more scarier. Just the walk to the platform made my legs shake. I thin they make the bridge so scary even before you get there, to see if people give up, just like some did at the platform.

Image

Arriving there, there is a DJ at the platform pumping people up. Of course I danced Zumba when he played Danza Kuduro and had a bunch of people follow! 

But, there I was, my number got called, and I was getting the rope on my leg. I never know what is going through my mind in these moments, but I know that I turned pale when I looked down.

Image

He said 1, 2 ,3 BUNGEE! I just felt the most freedom I have ever felt. The place was so beautiful, I almost questioned myself if I was already in heaven. 

Image

I was yelling my heart out, and enjoying every single second of that crazy moment of my life. I smiled when I remembered myself working out and listening to “Good Feeling,” and for some reason I would always imagine that scene of me bungee jumping from that bridge. When I was jumping, the DJ played that exact song, just like I had it in my thoughts. 

Image

It was like a moment reminding me that everything is possible, and that I was exactly where I was supposed to be, on the right track of my life.

I know this sounds so crazy coming from such a “reckless” experience, but it did feel like a magical moment. 

I cannot explain the adrenaline, but is definitely the most I have ever felt. I would do it over and over again!

 

Bungee Jumping da maior ponte de bungee do MUNDO!

Mesmo tendo liberdade de fazermos o que quiser em cada país para buscar as nossas próprias experiências, não podíamos fazer nenhum esporte “perigoso” ou qualquer atividade do tipo. Se eles descobrissem, por fotos, ou por outro meio, eles nos dariam ponto, que se chegarem até 10, somos expulsos do navio.

Sério, alguns estudantes foram expulsos. Eles eram duros com drogas, alchool e todo esse jazz. Eu apoiava eles, afinal, não estávamos em um cruzeiro de festa, estávamos ali para estudar e para crescer como individuais. Claro que somos todos jovens e também precisamos da nossa diversão sempre que puder, mas sempre tem gente que passa da linha, então eles tinham que ser estritos. Mas, eu não apoiava a questão dos esportes radicais.

Quando cheguei na Africa do Sul, a primeira coisa que eu fiz foi viajar 6 horas para chegar até a maior ponte do mundo de bungee. Fiz a cabeça de uns amigos, e ali estávamos. A Africa do Sul é um dos países mais lindos que eu visitei. A sua beleza natural é incrível.

Chegamos na ponte que se chama Bloukrans River Bridge de 216 metros. E reconhecida pelo Records Guiness. Excitante, não?

Eu já podia sentir a adrenalina dali, vendo outras pessoas pulando de longe, pegando o equipamento…mas o medo geralmente nunca bate de vez, até quando você chega na pont

Eu já pulei de para quedas antes, mas bungee jumping deu muito mais medo. Somente a caminhaa até a plataforma fez com que as minhas pernas bambiassem. Eu penso que eles fazem isso para que muitas pessoas desistam antes de chegar até lá, como muita gente desistiu na plataforma. 

Chegando lá, tinha um DJ tocando e levantando a galera. Claro, que eu dancei Zumba quando ele tocou Danza Kuduro e muitas pessoas seguiram o passo!

Mas, ali estava, meu número foi chamado, e eu estava vendo a corda ser presa entre as minhas pernas. Eu nunca sei realmente o que se passa na minha cabeça nesses momentos, mas eu sei que eu fiquei pálida quando olhei para baixo.

Ele disse, 1, 2, 3, BUNGEE! Eu somente senti uma liberdade que nunca senti antes. O lugar é tão lindo que cheguei a pensar se eu tinha morrido e já estava no céu.

Eu estava gritando, e amando cada momento daquela loucura na minha vida. Eu sorri quando me lembrei malhando e ouvindo a música “Good Feeling,” que por alguma razão, eu sempre imaginava a cena de mim pulando naquela exata ponte. Quando eu estava pulando o DJ tocou a mesma música, do mesmo jeito que se passava nos meus pensamentos.

Foi um momento em que me lembrou novamente que tudo é possível, e que eu estava exatamente onde eu tinha que estar, no caminho certo na minha vida.

Eu sei que essa conversa é de maluco, vindo de uma experiência tão doida, mas realmente senti como se fosse um momento mágico.

Eu não consigo explicar a adrenalina, mas definitivamente foi a melhor que já senti. Eu faria o mesmo de novo e de novo!

Categories: Uncategorized | 1 Comment

Manaus, Amazonas

The feeling of crossing the Amazon river again does not feel the same as I leave — I get this nostalgic feeling every time I leave Brazil.
Although Manaus is not actually my hometown, it still felt like home, while I was in company of special people.

As the ship sailed away from port, I stood out on the deck in tears, and waved good bye to my country. I watched the city disappear from far, and started to see the rainforest again. I began to question how come any time spent in Brazil feels like is not enough time. Although this was a totally different experience from being in Brazil on vacation, it did not keep me from missing everything that I have there — family, love, friends, culture, language — I always wish I could stay a little longer.

I enjoyed as much as I could while I was there. I did not go into any deep adventures in the Amazon, or caught piranhas and held any alligators. However, I did have an amazing time learning about my own culture while in town.

I was a little disappointed with the fact that I was expecting much more indigenous background since I was right next to the Amazon, where the highest concentration of indigenous live with 98% of its population. For some weird reason is hard to find many indigenous cultural places in Manaus. I did find the Museu do Indio (Indigenous museum), which I enjoyed looking at their beautiful art work. I still get mad when I think of how most of them lost their identity within society.

I really wanted to go to a tribe, but part of me did not feel right. I mean, how can I just go to their “place,” take pictures of them as if they are caged extinct animals, pretend I believe they are happy with the way they live and that the government is so good to them to even give them a little place to live – in a place that was once theirs; and finally show off all my pictures and go home? It almost feels like they put up a scene for tourists because that is the only way they can probably get their funds. It is a pattern in every country where there were indigenous tribes; and it is so disappointing. I am starting to resent our colonizers.

Changing subjects, I also went the Teatro Amazonas, which gave me goosbumps. It was built in 1881 and I could acuatlly feel its history while I walked around. They even had clothes actors wore in the past, and the creative wallpapers just blew my mind. It was founded in the Ciclo da Borracha, which was an era in Brazil where a lot of places, like Manaus, became economical and cultural places. They still hold events there such as operas, and it is open to the public. I enjoy the feeling of being “put back in time.”

I got to say my favorite experience in Manaus was eating one of its cultural dishes. Who doesn’t like eating, right? I was amazed of how I did not know about many things as a Brazilian. My favorite dish was called the Tacaca, which is basically a soup made with Jambu( paracress), tucupi (broth made with manioc) and shrimp. The Jambu makes your tongue numb! That way, it almost feel like you can taste the soup even better. I know it is weird eating with your tongue numb, but it seriously tasted so good.

Another plate I really enjoyed, was the Bolinho de Dourado, made of Dourado fish, served with fried banana chips. So delicious! And to top that, I drank Bare, which is a soda only served in Amazonas. It tastes like guarana, but I cannot really explain its tastes. Nevertheless, I brought I whole pack to the ship with me!

Another experience I enjoyed, was interviewing a cop in the middle of the street in Manaus. I am doing a project for my Human Rights and Ethics class about Human Trafficking in Brazil. Knowing Brazil’s fame of having a really bad corrupt police, i did not know how far that interview would take me. I took the chance, and thought that anything he tells me I can use it for something. The cop ended up being so helpful. Although I was not allowed to record him, he answered a lot of my questions. i felt like I took a huge step on my journalism career.

Walking around in town, making friendship with locals, hanging out with fellow friends and my shipmates, eating good food and gaining knowledge of my own country added to an amazing experience. Although three days were not enough, it added a huge impact to my voyage and my life as a Brazilian.

Manaus, Amazonas

O sentimento de estar passando pelo Rio Amazonas novamente, nao e o mesmo quando estou indo embora — Eu sempre tenho esse sentimento nostálgico, toda vez que estou deixando o Brasil.
Mesmo Manaus nao sendo literalmente a cidade em que eu nasci, me senti em casa, ainda mas na companhia de pessoas especiais.

Enquanto o navio se distanciava do porto, eu fiquei la fora em lagrimas, e dava tchau ao meu pais. Eu assisti a cidade desaparecer no meio do mar, e comecei a ver a floresta novamente. Comecei a me perguntar porque sempre que estou no Brasil nunca parece tempo suficiente. Mesmo essa sendo uma experiência totalmente diferente de estar no Brasil de ferias, nao me deixou de sentir saudade por tudo que eu tenho la — familia, amor, amigos, cultura, língua — eu sempre quero ficar um pouco mais.

Eu apreciei o que pude no tempo em que estava la. Nao fui em nenhuma aventura na Amazonia como os demais, ou pesquei piranhas e nem segurei nenhum crocodilo. Mas, tive um tempo maravilhoso aprendendo sobre a minha propia cultura na cidade.

Fiquei um pouco decepcionada com o fato de ter esperado ver muito mais sobre a cultura indígena, sendo que estava ali do lado da Amazonia, a maior concentração indígena do pais com 98% da população. Por alguma razão estranha, foi difícil de encontrar lugares de cultura indígena em Manaus. Encontrei o Museu do Indio, que por sinal, adorei ver toda a linda arte. Mas, eu ainda me irrito quando eu penso o quanto praticamente todos eles perderam sua identidade na sociedade.

Eu queria muito ter ido a uma tribo, mas uma grande parte em mim nao se sentiu bem em fazer isso. Como eu posso ir para o “canto” deles, tirar fotos como se eles fossem animais em extinção, depois eu ter que fingir que acredito que eles estão felizes e que o governo faz um bem maravilhoso para eles por eles terem um “espaço,” em um lugar que uma vez era so deles; e finalmente, me amostrar com todas as fotos, e ir para casa? Me parece mais que eles fazem um show para nos turistas, porque provavelmente e o único jeito que eles fazem dinheiro. Isso ja e um padrão em todos aqueles países em que uma vez ja existiram tribos de indio; e e tao decepcionante. Estou começando a ter raiva dos nossos colonizadores.

Mudando de assunto, eu tambem fui ao Teatro Amazonas, que me deu escalafrios. Foi construído em 1881, e eu podia sentir a sua historia enquanto andava. Eles tinham as fantasias que os atores tinham usada em pecas passadas, e o papel de parede era muito criativo e bem feito. O museu foi construído durante o Ciclo da Borracha, uma era em que muitos lugares no Brasil, como Manaus, se tornou uma cidade economica e cultural. Eles ainda tem eventos como operas no museu, e e aberto para o publico. Eu gosto muito da sensação de poder “voltar ao tempo.”

Preciso admitir que a minha experiencia favorita em Manaus foi comer a comida típica de la. Quem nao gosta de comer, ne? Estava assustada com tantas coisas que eu nao sabia, sendo Brasileira. O meu prato favorito de la se chama Tacaca, que e uma sopa com folhas de Jambu, tucupi e com camarao. A folha de Jambu faz com que a lingua adormeça! Desse jeito parece ate mais facil de sentir o gosto. Eu sei que e estranho comer com a lingua adormecida, mas era sinceramente uma delicia!

Otro prato que gostei, foi o Bolinho de Dourado, do peixe Dourado, servido com banana frita. Uma delicia! E para complementar, tomei Bare, o refrigerante servido so no Amazonas. O gosto parece guaraná e tubaina. Sei la, nao sei explicar o gosto. So sei que eu comprei um pacote e trouxe pro navio comigo!

Outra experiencia que gostei muito, foi entrevistar um policial no meio da rua em Manaus. Estou fazendo um projeto para minha aula de Direitos Humanos e Etica sobre Trafico de Pessoas. Sabendo a fama da Policia corrupta do Brasil, nao sabia ate onde essa entrevista me levaria. Tirei uma chance, e pensei que qualquer coisa que ele me falasse, eu usaria para o meu projeto. Acabou, que ele me ajudou muito. Mesmo nao podendo ser filmado, ele respondeu muitas das minhas perguntas. Senti como se tivesse tomado um passo imenso na minha carreira de jornalista.

Andando no centro, fazendo amizades com pessoas locais, saindo com meus amigos que amo e meus amigos do navio, comendo boa comida, e aprendendo sobre o meu propio pais acrescentou para uma experiencia maravilhosa. Apesar de tres dias terem sido muito pouco, teve um impacto muito grande nessa minha jornada e na minha vida sendo Brasileira.

Categories: Brazil, Uncategorized | 3 Comments

I am on a ship!

Few months ago, I remember stalking Semester at Sea’s website and all its videos on youtube, pictures oh Facebook and past students’ thoughts on their blogs.

Here I am today, making videos on the same ship, taking pictures of all the places I already saw on a screen, and writing my own blog about it. It just does’t seem real. Yes, I am now officially living on the Semester at Sea’s famous MV Explorer — and sailing!

As I was saying good-bye to the Bahamian taxi driver, that laughed at us while we were melting hot, I walked closer and closer to the ship. I had a huge backpack on, and two enormous suitcases that seemed so heavy. I mean, I am living four months in this place, I acutely had to pack something useful.

The line to get on the ship was huge, and all I could see was students with their heavy suitcases. We all had that same look on our faces – clueless. We were so excited, it was shinning through our eyes; however, we had no idea what to expect. We all had to go through the whole bags screening process just like an airport, then passport check for all the visas, and finally on the ship we were able to get “checked in.”

When I first stepped in, I couldn’t really believe I finally made it. After everything I had to go though to get here, all I had on, was a smile on my face.
The line is not the only obstacle but all the process we, semester at sea students, go through before we even think about getting on the ship. All the financial freak out, the planning that never works, the emotional process of even thinking about these countries, the fear of leaving those behind and the excitement of meeting the unknown just drive us crazy! Man, I’m tired, I deserve a nap on my new bed.

Nope. The first two days were full of orientations, every single type of them. It seemed like it was never over. Do we really need to know all this in order to live on a ship? I guess so.

Now, most of the orientation and drills are done, some students that couldn’t get on the ship for visa issues are finally here, school already started, and we are heading to Dominca, our next stop!

And I am getting used to this new life of mine of staring at the horizon everyday, meeting new people at every second, getting used to the whole rocking side to side and liking engine noise! Living on the ship is pretty interesting. I love my room (I’m still getting lost), my Bulgarian roommate, and cannot complain how I work out and even study staring at the ocean. Oh yeah, I am not seasick, although half of the ship is! Lucky me!

It’s not a boat, it’s a ship. it’s not a cruise, it’s a voyage of discovery!

_____________________________________________________________

 

Alguns meses atras, eu lembro nao conseguir parar de olhar o site do Semestre no Mar e todos os seus vídeos no Youtube, fotos no Facebook e as opiniões nos blogs de outros estudantes.

 

Aqui estou hoje, filmando os meus propios vídeos, tirando fotos em lugares que eu ja vi em tela, e escrevendo o meu propio blog. Ainda nao me parece real. Sim, eu estou oficialmente vivendo no famoso MV Explorer do Semestre no Mar — e navegando!

 

Enquanto eu dizia adeus para o taxista Bahamian, que ria da minha cara porque eu derretia de calor, eu caminhava cada vez mais perto do navio. Eu estava com uma mochila imensa nas costa, e com duas malas enormes que pareciam tao pesadas. Digo, eu vou viver quatro meses nesse lugar, dessa vez preciso fazer a mala com coisas que sejam pelo menos importantes.

 

A fila para entrar no navio estava gigante, e o único que eu conseguia ver era os estudantes com suas malas pesadas. Todos nos tinhamos a mesma cara — sem entender nada. Estavamos tao ansiosos, que ate brilhava nos nossos olhos; mas, nao tinhamos ideia do que esperar. Tivemos que passar pela parte de passar as malas pelo scaner que nem nos aeroportos, checar os passaportes com os visas, e finalmente no  navio conseguimos nos livrar de tudo.

 

Quando pisei no navio, eu nao acreditei que eu consegui. Depois de tudo que passei para chegar ate aqui, tudo que eu tinha era um sorriso na cara. A fila nao foi o unico obstáculo, mas o processo que nos, estudantes do Semestre no Mar, temos que passar antes de chegar ate o navio. A loucura financeira, todos os planos que nunca dao certo, o processo emocional so de pensar nesses países, o medo de deixar as pessoas para traz e a ansiedade de conhecer o desconhecido nos deixam loucos! Cara, estou tao cansada, mereco um cochila na minha cama nova.

 

Nao mesmo. Os primeiros dois dias foram cheios de orientações, de todos os tipos. Parecia que nunca ia acabar. A gente precisa realmente saber tudo isso para morar em um navio? Creio que sim.

 

Agora, que quase todas as orientações já chegaram ao fim, os estudantes que estavam faltando por problemas com os visas finalmente chegaram, as aulas já começaram, e estamos a caminho de Dominica, nossa próxima parada!

 

E eu estou me acostumando com essa minha nova vida de olhar para o horizonte todos os dias, conhecendo pessoas novas a cada segundo, me

acostumando com o balanço do mar de um lado pro outro e ate a gostar do barulho do motor!

Morar em um navio e bem interessante. Amo o meu quarto (eu ainda me perco ate chegar nele), a menina da Bulgaria que comparte o quarto comigo, e nao posso reclamar de eu malhar e ate estudar olhando para o mar. Ah sim, nao estou ficando doente com o balanco das ondas, apesar de metade do navio esta vomitando! Sou sortuda!

 

Nao e um barco, e um navio. Nao e um cruzeiro, e uma navegação de descobertas!

Categories: At Sea, Uncategorized | 3 Comments

Blog at WordPress.com.